MVE

MOVIMENTO VITAL EXPRESSIVO

É expressiva, respiratória. Trabalhamos em grupos mistos, utilizando música e técnicas de relaxamento. O grupo é dirigido por um instrutor que vai fazendo movimentos, imitados pelos participantes, organizados em círculo.

1.1 É imitativa, por que esta é uma maneira da aprendizagem do movimento realizar-se por meio do centro motor e não do centro intelectual, como é costume na nossa cultura. Há nisto, também, um entregar-se à plástica do outro, que produz um relaxamento interior muito grande e uma centralização da atenção. Em outros momentos fazemos uma interpretação livre da música e, em turmas mais avançadas, os próprios alunos dirigem o grupo, passando desta forma por três experiências básicas complementares: a de conduzir, a de ser conduzido e a de nem conduzir nem ser conduzido.

1.2 É expressiva, por que consideramos que muitas das perturbações humanas têm sua origem na não expressão, ou na expressão parcial, de estados emocionais. Temos comprovado que desenvolvendo, com todo o corpo e toda a voz, aquela expressão que deu origem à fixação ou trava, pode-se descarregar a tensão acumulada e eliminar a fixação.

1.3 É respiratória, por que a respiração é a única função orgânica sobre a qual qualquer um tem acesso voluntário. Qualquer um, sem nenhum treinamento, pode acelerar, diminuir, deter por um momento o ritmo respiratório. Desta maneira, é uma via de conexão direta com nosso mundo orgânico, permitindo o conhecimento de regiões inexploradas em nós, porque o ar é um alimento para o ser humano e é importante que se possa determinar a quantidade e a qualidade que convém inalar a cada momento.

Mencionaremos alguns tipos de respiração: a clássica (baixa, intercostal e alta), conforme as zonas em que, predominantemente, localiza-se o ar; aquela relacionada à forma como se conduz o ar através das fossas nasais, que pode ser vital, emocional ou mental; e, finalmente, vale registrar que há um tipo de respiração para cada plástica, porque conforme respiro, eu sou.

1.4 É de relaxamento, para que  aprendamos a nos relaxar não só em repouso, mas na ação. Passar, rapidamente, de uma expressão para outra, de uma atitude para a atitude oposta - por exemplo, da raiva para afetuosidade -, requer um grau de relaxamento e ajuda a desmecanizar.

Não há possibilidade de uma mudança verdadeira se, previamente, não houve relaxamento. Certas formas de respiração, acompanhadas de um relaxamento profundo, conduzem a níveis de consciência de enorme clareza e profundidade, que habitualmente não experimentamos, e permitem uma nova visão da realidade, de maior amplitude.

1.5 Trabalhamos com música, porque ela é um elemento de riqueza extraordinária, que permite entrar em contato com a mais ampla gama da expressão humana:

- porque ajuda a conseguir a continuidade no movimento, que é um fator de equilíbrio para a psique;

- porque os diferentes ritmos musicais, especialmente os folclóricos, ativam reflexos que estão, normalmente, em estado latente ou deteriorados.

Os reflexos são respostas motrizes imediatas, independentes da mente, que se encontram inibidas pelo tipo de educação que recebemos. Sua ativação produz alegria e liberação de grande quantidade de energias, que podem assim retornar ao circuito geral, porque contribui para mobilizar plásticas estereotipadas e enriquecer o repertório das plásticas possíveis.

1.6 Geralmente é realizada em grupos mistos, porque a polaridade masculino/feminino produz maior mobilização energética do que um grupo composto de um único sexo. Todavia, também há grupos que não são mistos e que são úteis para trabalhos específicos de movimento.

1.7 Trabalhamos em círculo porque é uma forma de todos poderem se ver, por que ajuda uma boa circulação energética entre os participantes e, também, porque diferentes movimentações do círculo completo - concentrando-se, expandindo-se, girando, etc. - geram um maior potencial energético e de integração entre os participantes, o que faz com que cada um saia renovado e revitalizado. Temos reparado que determinadas formas geométricas favorecem uma melhor elaboração e transformação das energias em jogo.